A Casio anunciou que a câmara digital Casio QV-10, lançada originalmente em 1995, foi oficialmente registada como Material Histórico Essencial para a Ciência e Tecnologia pelo Museu Nacional de Natureza e Ciência do Japão.

Rudimentar quando comparada com qualquer câmara Casio Exilim moderna, a QV-10 constitui um marco importante no desenvolvimento da fotografia digital tal como a conhecemos hoje, uma vez que foi a primeira câmara digital compacta equipada com um ecrã LCD a cores.

O ecrã LCD a cores desta câmara pioneira permitiu pela primeira vez aos utilizadores poderem confirmar o enquadramento e qualidade da foto que tinham acabado de captar – algo que hoje achamos natural e associamos de imediato a uma câmara digital. O registo da Casio QV-10 no Museu Nacional do Japão reconhece o contributo desta câmara para o rápido aumento de popularidade das câmaras digitais.

A QV-10 era leve e suficientemente pequena para poder ser levada para qualquer lado. E como os utilizadores podiam verificar as suas fotos de imediato, era fácil apagar as imagens que não tinham ficado bem e armazenar as melhores no seu computador. Além disso, o preço de apenas 65.000 ienes (cerca de 630 euros ao câmbio atual) era impensável para a altura – as primeiras câmaras digitais eram extremamente caras – e a QV-10 tornou-se num êxito imediato, estabelecendo a Casio como um dos principais fabricantes mundiais de câmaras fotográficas digitais.

Além do seu ecrã LCD traseiro, a QV-10 tinha também outra inovação: o seu corpo era articulado e o bloco ótico podia ser rodado para cima ou para baixo, o que facilitava a captura de imagens em qualquer situação.

Até a Casio QV-10 surgir no mercado, as câmaras fotográficas digitais era dispositivos extremamente caros e pesados, usados pelos fotógrafos profissionais e pela imprensa – sobretudo por agências noticiosas.

A popularidade da QV-10 representou o início da mudança do mundo da fotografia para sempre, de tal forma que hoje quando falamos em “câmara” assumimos de imediato que estamos a falar de uma câmara digital e não de filme.

O registo da QV-10 como Material Histórico Essencial de Ciência e Tecnologia marca a terceira vez que a Casio recebe esta honra. A primeira vez foi com a calculadora digital CASIO-MINI, em 2008, e a segunda com o protótipo de câmara digital DC-90, em 2009.