Único nesta área em Portugal, o Prémio ESTAÇÃO IMAGEM | MORA concretiza a sua 5ª edição em 2014.

Desde a sua primeira edição, em 2010, foram submetidas a concurso 2.085 reportagens de 678 fotojornalistas, num total de 24.722 fotografias.

O Prémio está aberto à participação dos fotojornalistas portugueses, dos PALOP e da Galiza, bem como aos estrangeiros aí residentes.

O júri do Prémio é exclusivamente constituido por prestigiadas personalidades internacionais de entidades como o The New York Times, Stern, Le Monde, La Reppublica, Geo, The New Yorker, Reuters, AFP, AP, Noor.

Este ano o presidente do júri é o fotojornalista Paolo Pellegrin, da agência Magnum, autor de vários livros, e um dos fotojornalistas mais premiados a nível mundial.

O júri que apreciará os trabalhos é ainda composto por mais quatro elementos: Alessandra Mauro, curadora de fotografia;  Christopher Morris, fotojornalista da agência VII; Pablo Juliá, director do Centro Andaluz da Fotografia; e, Jérôme Sessini, fotojornalista da Magnum.

O júri atribui o Prémio ESTAÇÃO IMAGEM | MORA  e designa os vencedores nas sete categorias – Notícias, Assuntos Contemporâneos, Vida Quotidiana, Retrato, Desporto, Arte e Espectáculos e Ambiente -, entre todas as reportagens a concurso. É ainda este júri que aprecia as candidaturas à Bolsa ESTAÇÃO IMAGEM | MORA, destinada à realização de um projecto documental sobre o Alentejo.

As inscrições, são exclusivamente formalizadas através do site da Estação Imagem (www.estacao-imagem.com), onde se encontram os formulários e os regulamentos e decorrem entre dia 15 de Fevereiro e 30 de Março.

O Prémio ESTAÇÃO IMAGEM | MORA tem um valor pecuniário de 3.500 euros e os vencedores do 1º prémio de cada uma das sete categorias, recebem 1.000 euros. A bolsa atribuída, tem o valor de 4.000 euros, e o projecto desenvolvido durante 2014 é publicado em livro e divulgado através de uma exposição itinerante no ano seguinte.

A cerimónia para anúncio dos vencedores e entrega de prémios tem lugar no Auditório Municipal de Mora, no dia 19 de Abril, pelas 11h30.

A RTP, a Agência Lusa, o diário Público e o semanário Expansão, de Angola, são os parceiros media.

O Júri:

Paolo Pellegrin foi representado pela Agence VU, em Paris, entre 1991 e 2001. Foi fotógrafo contratado pela revista Newsweek, nos E.U.A.,  e pela Zeit, na Alemanha. É membro efectivo da agência Magnum desde 2005.
Os seus livros incluem Paolo Pellegrin (Kunstfoyer der Versicherungskammer Bayern 2012); Dies Irae (Contrasto, Italy, 2011); Paolo Pellegrin (Actes Sud, 2010); As I Was Dying (Actes Sud, France, 2007); Double Blind (Trolley, 2007); Kosovo 1999-2000: The Flight of Reason (Trolley, USA, 2002); L’au delà est là (Le Point du Jour, France, 2001); Cambogia (Federico Motta Editore, Italy, 1998); e Bambini (Sinnos, Italy, 1997).
Pellegrin foi vencedor de diversos prémios, inclusive dez prémios World Press Photo e vários prémios Photographer of the Year (POY), recebeu também o Leica Medal of Excellence, o Olivier Rebbot Award, o Hansel-Meith Preis, e o Robert Capa Gold Medal Award. Em 2006 foi-lhe atribuído a bolsa W. Eugene Smith, em Fotografia Humanística.

Alessandra Mauro, enquanto curadora de fotografia, concebeu e organizou várias exposições, entre elas: William Klein, Rome; Mario Giacomelli, Retrospective; Mimmo Jodice, Lost in seeing. Como Directora Artística da Fondazione Forma (Milão), é responsável, desde 2005, pelo programa de exposições de vários autores, entre eles: Richard Avedon, Josef Koudelka, Peter Lindbergh, Henri Cartier-Bresson, Martin Parr, Bettina Rheims. Enquanto Directora Editorial da Contrasto Publishing House (Roma), tem feito a curadoria e edição de diversos livros e catálogos, como My brother’s keeper (Documentary Photographers and Human Rights), e Shadows of War. Exerce o cargo como professora de História da Fotografia na Universidade Suor Orsola Benincasa (Nápoles), e é consultora de Fotografia para os Museus do Vaticano – Departamento de Arte Contemporânea.

Christopher Morris documentou ao longo de 20 anos mais de 18 conflitos internacionais, entre eles a invasão Norte-Americana do Panamá, a invasão Norte-Americana do Iraque e a Guerra do Golfo. Ao longo de 5 anos, foi fotógrafo residente na Casa Branca, durante a presidência de George W. Bush para a revista TIME. Morris recebeu vários prémios, como o Capa Gold Medal, o Olivier Rebbot Award, o Infinity Photojournalist Award do International Center of Photography, Nova Iorque, o Visa d’Or Award, e múltiplos World Press Photo Awards. Autor de diversos livros, sendo os mais recentes “My America” e “Americans”, ambos sob a chancela da Steidl. Actualmente a viver em Paris, é membro fundador da agência de fotojornalismo VII.

Pablo Juliá, iniciou a sua carreira como fotojornalista nos anos setenta documentando o período de transição democrática em Espanha e colaborando entre outras, com as publicações Cambio 16, Gentleman e Posible. Entre 1980 e 2007 foi chefe do departamento de fotografia do jornal El País.
É Professor associado da Faculdade de Comunicação de Sevilha, desde 1996, em cujo Departamento de Jornalismo ensina fotojornalismo.
Entre outros, recebeu o Premio Andalucía de periodismo e o Fotopress de Cultura. Participou em diversas exposições individuais e colectivas, sendo a mais recente “Andaluzes”.
É actualmente, desde 2007, o director do Centro Andaluz de Fotografia, em Sevilha.

Jérôme Sessini em 1998, é convidado pela agência Gamma para cobrir o conflito no Kosovo. Fez a cobertura do conflito na Palestina, da guerra no Iraque (entre 2003 e 2008), da queda de Aristide no Haiti (2004), da conquista de Mogadishu pelas milícias islâmicas, e da guerra no Líbano (2006). As suas reportagens têm sido publicadas nas revistas Newsweek, Stern, Paris-Match, bem como nos jornais Le Monde e no Wall Street Journal.
Expôs individualmente no Visa Photo Festival, nos Rencontres d’Arles, e na Bibliothèque nationale François-Mitterrand.
Em 2008, Sessini inicia o seu projecto no México: “So far from God, too close from the US”, um mergulho na guerra dos cartéis de droga. Este projecto, ainda em curso, já foi premiado por duas vezes – com o F-Award e a Getty Grant.
É actualmente membro da agência Magnum.