Fotografar a Natureza

Contrariamente ao que muitos pensam, não é verdade que no verão existem menos possibilidades de registar boas imagens da natureza. Até pode ser caso queira fotografar pássaros em plena atividade, ou determinadas flores mas, ainda assim, sobram muitos outros motivos aos quais pode apontar a sua câmara fotográfica.

Muitas das técnicas de verão permitem obter grandes resultados sem necessidade de equipamento especial. Ainda que uma objetiva macro, ou uma série de tubos de extensão fossem bem-vindos, não são de todo realmente essenciais. Seja qual for o motivo a fotografar, a paciência será (é) uma virtude.

Se se trata de um inseto, ou um animal, convém ter todo o tempo do mundo, ou aceitar a possibilidade de regressar a casa de mãos vazias. Se o que procura é algo mais geral, ou um motivo natural, a lua adequada pode marcar a diferença entre uma foto boa e uma excelente, como já referimos por diversas vezes.

Regra geral, procure não fazer fotografias junto ao meio-dia, quando o sol está alto e as sombras são muito pronunciadas e duras. Coloque o alarme do despertador para bem cedo, ou atrase ao máximo o regresso a casa para aproveitar a melhor luz, sem no entanto se esquecer de comprovar que as objetivas e os filtros estão limpos, para evitar imagens fantasma, ou outros problemas nas imagens finais. E quando chegar ao local, estude bem o que vai fazer. Ou seja: não faça uma foto da primeira coisa que veja.

Leve o seu tempo para ver como a luz cai sobre o objeto e escolha o melhor local e posicionamento segundo as condições do momento. Também deve certificar-se de que varia os ângulos de registo. Uma posição bem junto ao solo, contra um céu azul pode dar bons resultados. Os utilizadores de câmaras com LCD inclinável têm uma vantagem óbvia, ao passo que aos restantes não resta outra opção que não deitarem-se no chão.

Não faz ideia do que fotografar?
Experimente as sugestões que deixamos a seguir…

De flor em flor
Se há vegetação em flor, deveria haver abelhas. Estas são facilmente atraídas pela flores roxas (como alfazema e o trevo) e as de coroa tubular (como as madressilva e dedaleiras, ou “campainhas”). Mas não se ponha a correr atrás das abelhas: o melhor mesmo é esperar até que pousem numa flor fotogénica.

Selecione uma abertura como f/8, já que ao aproximar-se do objeto está a reduzir consideravelmente a profundidade de campo, e selecione um ISO mais elevado (como 800 ou mesmo 1600) mesmo que haja luz suficiente, para garantir uma elevada velocidade de obturação, a fim de congelar o movimento.

Para quem madruga
As mariposas são especialmente difíceis de fotografar, nunca ficando muito tempo no mesmo sítio. A solução? Acordar mais cedo do que elas. Nas primeiras horas de uma manhã de verão, as mariposas e as libélulas estão carregadas de orvalho custando-lhes a voar.

Leve um tripé e prepare-se para se molhar um pouco, caso deseje encontrar uma boa posição para obter um fundo de um só tom, por exemplo. Se possível, tente fotografar contra flores coloridas, para obter um resultado ainda mais espetacular.

Rumo à costa
Nos jardins e parques, os pássaros estão mais tranquilos no verão, mas quase que juramos que na costa existe muito mais ação. As gaivotas não têm férias e podem ficar belas contra um fundo de céu azul, ou alinhadas numa grade de um passeio marítimo. Quase de certeza de que necessitará de recorrer à compensação à exposição para evitar que os pássaros em voo fiquem como silhuetas.

Experimente uma compensação +1 e +2 para captar detalhes na parte inferior dos pássaros. A abertura pode ser relativamente grande (f/2.8, f/4, por exemplo), pois o motivo estará muito afastado de si, ficando bem focado. Ou se estiver perto, poderá querer desfocar o fundo. Se necessário recorra ao disparo contínuo e não tenha medo de deixar o dedo no botão do obturador.

Ao sol
Há vários motivos para fotografar no verão. Mas existe um que pode ser particularmente interessante: o girassol. Os girassóis são o motivo ideal, pois tanto nos podemos concentra nos detalhes de apenas um, como “facilmente” fotografamos um campo cheio deles. Tente fotografar alguns durante o dia, com o sol lá no alto, apanhando as bonitas pétalas amarelas tendo o céu azul como fundo, tendo que se baixar para conseguir este enquadramento. Mas, mais uma vez, não se esqueça de que os campos de girassóis, como outros motivos, são mais fotogénicos ao amanhecer ou entardecer.

Se tiver possibilidade, visite o local de antemão para ver qual o momento do dia que funciona melhor. Em relação a definições, tanto pode usar uma grande abertura (f/2.8), focando apenas uma parte dos girassóis, como uma abertura mais pequena (f/11, por exemplo) para que o campo fique todo em foco. Pode precisar de usar filtro de densidade neutra em gradiente para reduzir o contraste entre a terra e o céu, principalmente se fotografar nos extremos do dia.

De volta ao campo
Um dos cenários mais bonitos e que nos remete imediatamente para o tempo quente e de sol: os fardos de feno cuidadosamente enrolados ao longo dos campos. Infelizmente, aos poucos os agricultores estão a usar mangas plásticas para proteger os fardos, retirando, fotograficamente falando, grande parte, ou totalmente, a sua beleza. Por isso, aproveite se passar por um campo onde estes fardos estejam “despidos”. Fotografe ao amanhecer e ao entardecer, quando a luz dourada fizer sobressair os tons amarelos e acastanhados.

Contudo, tenha cuidado de não invadir a propriedade privada – muitas vezes basta pedir a alguém para conseguir entrar. Use e abuse da regra dos terços na composição da imagem, colocando um fardo na interceção de um dos terços. E pode muito bem usar uma teleobjetiva para fechar o enquadramento e comprimir a perspetiva. Nem sempre é obrigado a usar uma objetiva grande angular.

Subscreva a nossa newsletter

Também poderá gostar