Paixão pelas estrelas

mm

Sérgio Conceição

“Iniciei o meu percurso fotográfico quando tinha 16 anos e me inscrevi num curso de Comunicação-Social. Desde aí continuei sempre ligado à área, maioritariamente em reportagens de eventos (casamentos e baptizos). A paisagem e o retrato social vieram mais tarde em 2010.”

Visite o meu Website
Ver todos os Posts

O meu nome é Sérgio Conceição, tenho 34 anos, nasci em Elvas, no Alentejo, onde resido até hoje.

Iniciei o meu percurso fotográfico quando tinha 16 anos e me inscrevi num curso de Comunicação-Social.

Nessa altura, a fotografia passava por um processo de transição entre o negativo e o digital, pelo que não posso dizer que tive a melhor aprendizagem na era digital, uma vez que tudo estava ainda muito recente – mas posso sem dúvida afirmar que foi o chamado empurrão para a área. Desde aí continuei sempre ligado à fotografia, maioritariamente em reportagens de eventos.

O facto de ter crescido junto às margens do Rio Guadiana fez com que me apaixonasse pela natureza e por registar tudo aquilo que considero interessante em torno dela.

Em 2010 surgiu o meu primeiro contacto a sério com a paisagem. Foi numa altura em que tinha muita necessidade de sair para viajar, em que podia isolar-me com a máquina fotográfica em lugares que sabia que maioritariamente ia estar sozinho e podia registar momentos únicos.

Contudo, apenas tinha alguns conceitos sobre enquadramento e pouco mais. Queria registar tudo aquilo que de mágico se passava, toda aquela luz magnífica que nos pode dar um pôr-do-sol e juntá-la aos primeiros planos da nossa costa portuguesa. Foi por aí que tudo começou. Aos poucos fui-me tornando cada vez mais autodidata e a cada dia mais exigente comigo mesmo.

Há cerca de dois anos, em Juromenha, no Alentejo, encontrava-me no interior da fortaleza e fotografei mais um pôr-do-sol. Mas, nesse dia, não arrumei o equipamento como fazia sempre. Nesse dia tudo foi diferente. Deixei a máquina no tripé e sentei-me num dos muros da fortaleza a olhar para o cais. Deixei a noite cair e olhei para o céu. O tempo estava agradável e deitei-me sobre o muro. Olhei pela primeira vez para o céu com olhos de ver. Aparecia ali uma luz branca no céu e senti a curiosidade de tentar perceber o que era. Tratava-se de Vénus.

À medida que o tempo avançava, o céu enchia-se de estrelas. Lembro-me de pensar que andamos demasiado preocupados e acelerados no nosso dia a dia, que não reparamos que um dos maiores espetáculos da natureza pode ser visto todos os dias quando olhamos para cima. É algo que nos passa despercebido. Mas está lá e acontece. Foi isto que fez com que surgisse a minha paixão pelas estrelas. Desde aí eu comecei a olhar para o céu de outra forma.

“Forte da Graça”
Na imagem pode ser vista a Super Lua de 21 de Março, através de uma sequência de imagens. Foi feita a 1,9 Kms do local, que é o Forte da Graça, em Elvas, considerado Património Mundial da UNESCO em 2012. A escolha do local foi um pouco difícil porque, estando no Alentejo, há sempre muitas árvores que acabam por se sobrepor, pelo que tive de ter isso em conta e escolher um local um pouco aberto.

Nikon D5100 . Tamron 150-600mm @150mm . f/7.1 . 1/80” .  ISO 400

“Campinho – Eclipse Lunar 21 Janeiro”
A imagem foi feita na localidade de Campinho, no Alentejo. Retrata uma noite em que houve um eclipse lunar. Nesta noite, particularmente fria, registei a totalidade do Eclipse.

Canon EOS R . 35mm . f/4 . ISO 200

“Lisboa”
Uma vista sobre Lisboa acompanhada por um Earthshine lunar. Na imagem, é possível visualizar a parte iluminada da Lua e a parte cinza iluminada pela Terra. As luzes da cidade deram uma ajuda preciosa, realçando todos os pormenores das ruas.

Canon 6D . 30mm . f/11 . 6″ . ISO 200

“Marte Alqueva”
A imagem foi feita numa das muitas ilhas do Alqueva e nela pode ser vista a via láctea na posição vertical, por cima da ilha.

Canon 6D . 14mm . f/1.8 . 10″ . ISO 6400

“Pôr do sol no campo”
A imagem foi captada num campo Alentejano, mais especificamente em Vila Fernando. Pode ver-se um pôr do sol colorindo a paisagem alentejana.

Canon 6D . Canon 70-200mmF4 IS @189mm . f/10 . 1/25” . ISO 200

“Vulcão dos Capelinhos”
O Vulcão dos Capelinhos encontra-se localizado na ilha do Faial, nos Açores. As cores quentes, misturadas com algumas nuvens movimentadas que se encontravam no céu, acabam por dar uma nova vida à imagem.

Canon 6D . 20mm . f/11 . 1/8” . ISO 200

“Póvoa de Santa Iria”
Daqueles locais a que é sempre bom voltar, pela luz magnifica que proporciona e também por toda a magia do local. Este foi um nascer do sol em que o frio acabou por ser vencido pela persistência de registar os tons e os reflexos do local.

Canon 60D . Tokina 12-24mm @12mm . f/8 . 23″ . ISO 200

“Açores”
A ilha das Flores, nos Açores, em mais um cenário espetacular. As rochas, o verde característico, as nuvens e os tons do sol a fazerem da paisagem um cenário único.

Drone Mavic Pro . f/2.2 . 1/160″ . ISO 100

“Ajuda – Elvas”
Ponte que existe bem próxima da localidade de Elvas, que faz a ligação entre Elvas e Olivença – Espanha. Aqui, pode ver-se o Rio Guadiana e nesta noite foi possível também visualizar a Via Láctea.

Canon 6D . 14mm .  f/1.8 . 15″ . ISO 3200

Subscreva a nossa newsletter

Também poderá gostar