“Olhar Cassiano”: Concurso de Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa

O Arquivo Municipal de Lisboa está a assinalar durante 2020 o 50º aniversário da morte do Arquiteto português Cassiano Branco, cujo espólio se encontra à sua guarda.

Para o efeito desenvolveu o programa Olhar Cassiano, composto por um conjunto de iniciativas que irão permitir olhar para este arquiteto sob várias perspectivas, e conhecer melhor  o legado que deixou ao país. De entre as suas obras mais emblemáticas e/ou conhecidas encontram-se por exemplo, o “Portugal do Pequenitos” em Coimbra, ou o Cinema Éden em Lisboa.

 A iniciativa “Olhar Cassiano” começa em junho com a abertura do concurso de fotografia com o mesmo nome, e que irá decorrer até 31 de agosto. Os seus objetivos são sensibilizar o público em geral para a arquitetura de Cassiano Branco em Portugal; desafiar a descoberta e divulgação de facetas menos visíveis da sua arquitetura e promover a fotografia de arquitetura como meio de expressão.

As fotografias propostas a concurso deverão refletir, considerando a sua composição e/ou enquadramento, o registo das manifestações, características ou especificidades das obras arquitetónicas de Cassiano Branco em Portugal. O regulamento está disponível para consulta no site do Arquivo Municipal de Lisboa.

Do júri fazem parte Fernando Guerra, Francisco Feio, Luís Pavão, Maurício Reis e Hugo Pinho  e Paulo Tormenta Pinto, que é também o coordenador científico do colóquio nacional “Cassiano Branco, 50 anos depois” que irá decorrer a 3 de novembro na Fundação Calouste Gulbenkian.

Associaram-se a esta iniciativa o Instituto Português de Fotografia, a revista zOOm, a Niobo e o Hotel Britania, onde serão entregues os prémios a 3 de dezembro.

Para além deste concurso de fotografia, está prevista a pintura de um mural de arte urbana na freguesia onde nasceu Cassiano Branco, a realização de visitas guiadas na cidade, o colóquio nacional já referido, numa parceria com o ICTE – Instituto Universitário de Lisboa, e durante o qual será lançada a 3ª edição do livro “Cassiano Branco Arquitetura e Artifício” da autoria de Paulo Tormenta Pinto.

Poderá ser ainda visitada uma exposição de fotografia de Daniel Blaufuks, “cinema paraíso. memória descritiva”, que irá estar patente ao público no Arquivo Fotográfico (rua da Palma, 246), entre 15 de outubro 2020 e 9 de janeiro de 2021.

Nesta exposição será apresentada uma seleção do conjunto de 36 provas, datadas de 1991, que fazem parte do acervo do Arquivo Municipal de Lisboa e que só foram apresentadas nesse mesmo ano, nos espaços do cinema éden.

A seleção a cargo de Sofia Castro (curadoria e coordenação) recairá num conjunto de imagens que permitiram o reencontro com um dos projetos mais emblemáticos do Arquiteto Cassiano Branco, bem como a descoberta de um lugar referencial da cidade. Daniel Blaukufuks captou nesta série, e de uma forma singular, aspetos da arquitetura (detalhes interior e exterior) do Cinema Éden, que são hoje objetos preciosos para reflexão da memória e da importância dos arquivos fotográficos.

Seguem em anexo algumas imagens que poderão usar na divulgação.

Podem também partilhar o spot vídeo disponível no youtube através do seguinte link:

https://www.youtube.com/watch?time_continue=17&v=NqE2cJe2VMc&feature=emb_title

Mais informações sobre a programação disponíveis em http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/eventos/olhar-cassiano/ ou através do e-mail arquivomunicipal@cm-lisboa.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *